erros de micro e pequenas empresas
Gerenciamento Solucionar problemas

Os 12 principais erros de micro e pequenos empresários

Será que você também comete alguns dos principais erros de micro e pequenos empresários?
Que tal imprimir? Baixe grátis uma cópia deste artigo em PDF!

Pare tudo o que estiver fazendo e preste atenção a minha pergunta: Você é um bom gestor?

Se você é, já sabe que não é infalível e que está sujeito a erros. Na verdade, você pode até acreditar que faz um ótimo trabalho na gestão de sua micro ou pequena empresa, e que as coisas não estejam tão bem por culpa do momento de crise pelo qual estamos passando, mas será mesmo?

Será que realmente você está fazendo as coisas certas? Será que nada poderia estar melhor?

Bem, eu não estou aqui para te julgar ou criticar. Estou aqui para te ajudar.

Aprender a reconhecer e corrigir rapidamente os erros mais comuns da gestão é essencial para qualquer profissional em cargos gerenciais.

E é sobre isso que vim falar agora.

Minha missão neste artigo é apresentar a você os 12 principais erros na gestão de micro e pequenas empresas, destacando os riscos e consequências.

Conhecendo eles, você poderá se livrar de muitos problemas que estejam afetando o seu negócio, ou se prevenir para evitar que um dia venham a atrapalhar.

Interessado?

Então sigam-me os bons!

principais erros de micro e pequenas empresas

1- Não ter sistema de gerenciamento

Para começar, a falha conhecida mais importante que pode haver na gestão de micro e pequenos negócios é a falta da gestão em micro e pequenos negócios.

Colocando assim parece estranho, não? Bem, acontece que toda gestão requer um sistema de gerenciamento para poder funcionar. E quando digo “sistema” não estou falando de softwares e tecnologia da informação, apenas “sistema” mesmo.

Ok, mas o que é um sistema?

Sistema é um conjunto de elementos interdependentes que formam um todo organizado.

Ou seja, todas as operações e processos que envolvem o negócio devem ser organizadas e controladas para que seja possível gerenciar.

Pode ser através de anotações em livros, registros em planilhas ou uso de softwares, a ferramenta é você que escolhe, mas seja como for, entenda que se não houver um sistema de gerenciamento, não haverá uma gestão de verdade.

2 – Não registrar as informações necessárias

Uma das falhas mais comuns nas pequenas empresas é não registrar muitas informações importantes sobre o negócio.

Cabem aqui, os custos exatos envolvidos no negócio, movimentações financeiras e todas as demais operações da empresa.

Veja que somente com o registro correto das informações você poderá criar relatórios gerenciais e demonstrações financeiras, e saber assim, com certeza, quando e em que quantidade deverá adquirir insumos, quanto dinheiro entrou no caixa, qual o volume de vendas por determinados períodos, qual o nível de endividamento, etc.

Ou seja, de nada adianta ter um sistema de gerenciamento se ele não for constantemente alimentado com os registros de informações precisas.

Se você não sabe direito onde registrar as informações, poderá aprender bastante neste artigo aqui onde eu apresentei as ferramentas de controle financeiro.

3 – Não saber precificar produtos e serviços

A questão do preço é algo bem complicado, que costuma atrapalhar muita gente.

Saber precificar seu produto ou serviço pode não ser das tarefas mais fáceis, mas há especialmente um fator que faz toda a diferença entre o sucesso e o fracasso aqui: conhecer exatamente os custos envolvidos.

Os custos incluem diversos números, como aquisição, produção, tarifas, impostos, estoque, transporte, etc.; e sem o conhecimento correto de todos eles, é impossível saber o valor adequado a cobrar.

Mas não é só isso.

Nesta questão, um outro problema grave comumente encontrado é o estabelecimento de preços baixos sem critério.

Pode ser tentador a ideia de baixar preços para atrair clientes e desbancar a concorrência, mas é preciso tomar cuidado para o tiro não sair pela culatra.

Primeiro porque se você não tiver capital de giro suficiente para manter as contas em dia, suas economias podem quebrar.

Segundo que a demanda pode crescer a um ponto em que a empresa não consiga atender, prejudicando prazos e qualidade do serviço.

E terceiro que se a promoção não funcionar e você tiver de subir os preços novamente, seus clientes vão notar o sobe e desce dos preços e perderão a confiança no seu negócio.

4 – Não estabelecer pró-labore fixo

Vamos lá, você sabe que todo mundo que trabalha na empresa deve ter sua remuneração definida. Ok?

Certo, mas sendo você o dono da empresa, é fácil pensar que pode pegar o quanto quiser no fim do mês – ou todos os dias, aliás.

Mas se você fizer isso, é bem provável que logo as contas não batam, as finanças da empresa comecem a declinar e o negócio todo quebre dentro de algum tempo.

Por isso é importante estabelecer um pró-labore, que é simplesmente um salário pago pelo trabalho do empreendedor.

Assim você passa a ter uma remuneração fixa, como todos os trabalhadores da empresa, mantendo então uma conta prevista no orçamento do negócio.

E outra razão para se estabelecer o pró-labore é evitar conflitos entre sócios por retirarem quantias diferentes. Se isso não for acordado logo de início, pode se tornar um grande problema no futuro.

5 – Misturar empresas (finanças principalmente)

Micro e pequenos empresários, donos de mais de um negócio, têm o mal hábito de misturar finanças, bens e mercadorias de suas empresas.

Por exemplo, quando faltam produtos de uma, pegam do estoque da outra, ou quando falta dinheiro na outra, pegam dinheiro dessa primeira…

E nessa tonada, tudo vira uma confusão, e se torna impraticável qualquer controle sobre os negócios.

E é claro, sem controle, não se dirige nada!

Por isso é fundamental manter as operações de cada negócio separadas.

Conteúdo VIP
Inscreva o seu email aqui para receber em primeira mão as minhas novidades!
Garantimos a sua privacidade. Nunca enviamos spam!

6 – Contratar pessoas erradas – e mantê-las (especialmente amigos e familiares)

Sabe aquele velho ditado que diz: “amigos, amigos; negócios à parte”?

Pois bem, por mais legais que sejam, seus amigos e parentes provavelmente não serão as pessoas mais indicadas para trabalhar em sua empresa.

Quando se trata de negócios, você deve sempre estabelecer critérios que cumpram com as necessidades que seus objetivos requerem.

Entende?

Os objetivos do seu negócio vão exigir profissionais quem desempenhem determinadas funções. Para essas funções, é seu dever selecionar as pessoas com os melhores perfis, e que tenham as competências e habilidades necessárias.

Agora, supondo que você já tenha contratado errado e perceba que a pessoa não consegue executar devidamente o trabalho e não seja simples conseguir adequá-la às exigências, cada dia que você a mantém no cargo é um prejuízo para o negócio, e um erro seu.

7 – Não definir metas e prazos

Ditados são tão legais, não?

Bom, já que você também gosta, então aqui vai mais um: “Tempo é dinheiro!”

Sim, eu sei que você sabe, mas é provável que não considere tanto quanto deveria.

Sabe aquelas cartinhas de cobranças que vêm todo fim de mês? Então, elas nunca atrasam!

Agora, se você, seus sócios ou seus funcionários atrasarem qualquer atividade do negócio, é provável que a sua receita atrase também

Por isso não se pode deixar que ninguém trabalhe “à gosto”. É preciso estabelecer metas a serem alcançadas dentro de prazos determinados.

8 – Dependência de funcionário, fornecedores e clientes

Para não perder o ritmo, tenho um ditado perfeito para esse caso aqui: “nunca coloque todos os ovos dentro de uma cesta só”.

Ou seja, se você tiver apenas um funcionário com conhecimento daqueles processos-chave, ou apenas um fornecedor daquele produto importante, ou mesmo apenas um grande cliente em que o seu negócio deposita todas as fichas; o que acontece se ele faltar, fechar, sair ou apresentar qualquer dificuldade?

Bem, com certeza não é nada de bom.

Mas apesar de ser uma situação previsível, muitos pequenos empresários sofrem com isso.

Só que não pode né. Por isso é fundamental ter planos de contingência.

Dê rotatividade à sua equipe, preparando seu pessoal para saber desempenhar diversas funções; cadastre mais de um fornecedor para suprir as necessidades do negócio; e prospecte novos clientes e dê atenção a todos, sem se concentrar em apenas um principal.  Assim você mantém seu negócio independente e menos vulnerável à imprevistos.

9 – Acreditar que sabe tudo

Pessoas em situação mais confortável, que provam o gosto do sucesso, têm a tendência de acreditar que sabem tudo, que só chegaram ali porque fora de tal forma que fizeram e que é apenas do seu jeito que deve ser.

O grande problema é que esse é um comportamento insustentável, que deixa as pessoas paradas no tempo, enquanto o mundo todo evolui. E assim, a decadência se faz inevitável.

Ninguém sabe tudo, e todos sabem um pouco para poder ensinar.

Portanto, esteja sempre de mente aberta para aprender com os outros. Escute seus clientes, considere as opiniões de seus funcionários, estude, pesquise, acompanhe o trabalho de outros profissionais. Por melhor que você seja, você nunca chegará ao limite, sempre poderá evoluir.

10 – Não delegar

“Delegar” refere-se a confiar sua autoridade a outras pessoas, e quando se trata de confiar, naturalmente se torna algo meio assustador.

Mas se você tem uma empresa, se você tem funcionários para realizar diferentes atividades, se você tem diferentes operações a serem executadas, não pode dar conta de tudo sozinho.

Querer controlar pessoalmente tudo o que acontece no negócio implica em diversas desvantagens competitivas.

Por exemplo: seu pessoal perde a motivação por entender que o líder não confia na capacidade deles; decisões rápidas do dia a dia demoram mais para serem tomadas, atrasando atividades; você nunca fará 100% de nada já que estará sempre dividido entre várias responsabilidades; perigos e oportunidades poderão passar despercebidos enquanto você se preocupa com outras coisas, etc.

Delegar ajuda sua equipe a desenvolver capacidades e habilidades, dá motivação para que busquem o crescimento e torna projetos que seriam impossíveis de se fazer sozinho, algo praticável

11 – Ignorar a concorrência

Um outro problema de muitos empreendedores é que eles são apaixonados quase que cegamente por suas ideias, seus produtos ou serviços.

Eles acreditam em seu diferencial e apostam que podem entrar no mercado sem nem ter de conhecer seus concorrentes.

Acontece que há diversas variáveis que determinam a escolha de compra dos consumidores, e o tal diferencial pode não bastar.

Preços, condições de pagamento, acessibilidade, confiabilidade, etc e etc, podem rapidamente espancar o seu negócio.

O mercado é com um ringue de luta, por isso você deve se preparar antes de entrar. Analise seus concorrentes, saiba que brechas você pode aproveitar, veja quais dificuldades você deve cobrir, descubra o que de fato te faz ser uma boa escolha para o seu público.

12 – Downsizing

Em momentos difíceis, quando as contas apertam, a primeira coisa que qualquer empresário pensa é em cortar custos.

Ok, é uma ótima medida para equilibrar as finanças.

Mas o grande problema está em como fazer isso. E é aí que a maioria erra.

Neste outro artigo aqui ensinei 7 técnicas de gestão para cortar custos, e nele mostro os efeitos colaterais do método que chamamos de Downsizng.

Essa é a técnica mais comumente utilizada e refere-se essencialmente às demissões (que podem ser, ou não, acompanhadas do fechamento de fábricas, lojas e escritórios.)

Isso impacta imediatamente no desempenho do negócio, sobrecarregando os funcionários remanescentes, piorando a produtividade e qualidade do serviço, gerando insatisfação da equipe e do público, além de perder a credibilidade no mercado ao transmitir a imagem de fracasso e descompromisso humano e social.

Por isso é fundamental analisar profundamente o seu negócio, estudar outras técnicas de corte de custos – como as que mostrei aqui – e avaliar o melhor caminho a seguir.

 

Leia Também  Noções fundamentais sobre Processos de Negócios [Você tem que saber]

erros de micro e pequenas empresas

Conclusão – Considerações Finais

Não existe uma receita pronta para se alcançar o sucesso, mas para alcançar o fracasso, basta ignorar os seus erros.

Se você comete um, ou alguns, ou todos esses erros da lista, não se preocupe. Isto aqui não é o juízo final, que manda para o céu apenas quem acerta tudo.

Todo mundo está sujeito ao erro, apenas entenda que continuar errando custa caro. Custa o teu sonho.

Então reveja sempre a forma como administra o seu negócio.

Se não se sentir seguro, contrate uma consultoria que possa te ajudar, faça algum curso que aperfeiçoe seus conhecimentos, assista palestras, leia livros, artigos…. Enfim, procure meios para se manter constantemente em evolução, porque o mundo não para.

Recapitulando

Neste artigo você viu que os 12 principais erros cometidos por micro e pequenos empresários são:

  1. Não ter sistema de gerenciamento
  2. Não registrar as informações necessárias
  3. Não saber precificar produtos e serviços
  4. Não estabelecer pró-labore fixo
  5. Misturar empresas (finanças principalmente)
  6. Contratar pessoas erradas – e mantê-las (especialmente amigos e familiares)
  7. Não definir metas e prazos
  8. Dependência de funcionário, fornecedores e clientes
  9. Acreditar que sabe tudo
  10. Não delegar
  11. Ignorar a concorrência
  12. Downsizing
Que tal imprimir? Baixe grátis uma cópia deste artigo em PDF!

Bem, gafanhoto, é isso. Eu espero que esse artigo seja muito útil para você. Se gostou e acredita que pode ajudar algum amigo, envie para ele ou compartilhe nas redes sociais!

Ah, e inscreva-se também em minha lista de email para receber todas as novidades aqui do meu blog.

Por fim, eu adoraria saber o que achou deste artigo.

Comente aqui embaixo o que você gostou, ou não gostou, ou mesmo alguma outra dica que queira compartilhar conosco!

3654 Total de visualizações 3 Visualizações hoje