dicas, planejamento pessoal
Gerar resultados Gerenciamento

Especial: 5 dicas imperdíveis para você fazer deste ano o melhor de todos

Aprenda as melhores técnicas para planejar e organizar a sua vida
Que tal imprimir? Baixe grátis uma cópia deste artigo em PDF!

Finalmente janeiro chegou e você diz a si mesmo que agora tudo será diferente. Ano novo, vida nova! Sem mais reclamações, sem mais erros, sem mais dramas.

Será tudo melhor dessa vez, não será?

Bem, a não ser que você tenha ganhado na Mega da Virada, não gafanhoto, as coisas não serão diferentes só porque o tempo passou.

Aliás, o tempo passa todos os dias, todas as horas. Não é ele, mas sim você. É você que precisa mudar para que as coisas sejam diferentes.

É claro que o ano novo é um período simbólico de mudanças e transformações, e nesta época todos criamos muitas expectativas. O problema é que esse espírito festivo, empolgado, cheio de sonhos e certezas de janeiro, não dura muito tempo. Logo a rotina nos toma de volta, e o que deixamos para depois, pouco a pouco vai embora.

Mas esse ano você quer fazer valer a pena. Esse ano você não quer que seja apenas mais um. Esse ano tem que ser o seu ano. O ano da virada.

Hideki, todo ano eu digo isso, mas falar é mais fácil do que fazer.

Sim, muitos de nós logramos deste mesmo problema. Abandonamos nossos desejos antes mesmo de começar, porque a vida é caótica e não nos dá tempo para viver.

Mas é possível mudar. É possível fazer diferente. É possível melhorar o desempenho da sua empresa e ter mais tempo para sua família. É possível ser quem você quer ser e chegar aonde quer chegar.

E não, você não está lendo um artigo sobre autoajuda. Ter fé é importante, mas acreditar somente não costuma dar muitos resultados.

Se quiser mesmo mudar, terá de fazer coisas gafanhoto. Coisas que só dependem de você.

Meu objetivo com este artigo é lhe mostrar como você pode planejar seu novo ano, conciliando vida pessoal e profissional, apresentando estratégias para que seus próximos doze meses sejam melhores que os últimos.

Preparado para fazer acontecer?

Então sigam-me os bons!

5 dicas imperdíveis!

#1 Mudança de Hábito – O Hábito da Mudança

Mudança de Hábito - O Hábito da Mudança
Troque hábitos ruins por outros melhores.

Certamente, uma das principais razões para que as resoluções de ano novo que todos fazemos acabem jogadas para escanteio antes mesmo de chegar fevereiro, é que frequentemente elas exigem mudanças de hábitos.

Portanto, antes de qualquer coisa, para fazer melhor, você precisa querer mudar. Precisa eliminar o que não é bom, precisa buscar o novo.

Para começar, você deve tomar uma postura diferente. Atitude de mudança.

É claro que isso não é algo tão fácil assim, pois os hábitos funcionam inconscientemente e automaticamente, e no final das contas, será contra você mesmo que estará lutando.

Mas existem maneiras de tornar a batalha menos difícil. Eis aqui quatro técnicas fundamentais que irão te ajudar nessa luta:

A. Contraste Mental

Comecemos com o contraste mental. A ideia é contrastar os aspectos positivos da mudança com as barreiras e dificuldades que você vai enfrentar. Desta forma se consegue chegar a uma visão mais realista sobre o que é ou não é possível fazer.

Assim, você elimina logo no começo aquilo que não está ao seu alcance e se concentra no que realmente pode ser buscado, evitando frustrações e sentimentos de impotência no caminho.

B. Planos Específicos “Se-Então”

É muito comum as pessoas fazerem planos do tipo “Esse ano vou emagrecer” ou “Esse ano vou fazer minha empresa melhor”. Mas esses são objetivos globais, você precisa ir além, saber o que deve fazer para alcançá-los sem se perder no caminho.

Você deve apontar ações para cada situação, definindo antecipadamente que vai comer uma fruta se acordar com fome no meio da noite, por exemplo.

Desta forma, você terá um caminho claro a seguir, correndo menos riscos de se perder e abandonar seus objetivos.

C. Repita

Hábitos nada mais são do que comportamentos resultantes da repetição frequente de certos atos. Cada vez que você repete uma ação em determinada situação, seu hábito ganha força. Quanto mais forte ele fica, menos esforço você emprega, pois torna-se uma ação cada vez mais automática, subconsciente.

D. Substitua

Sabe o que acontece quando você tenta suprimir seus pensamentos sobre aquele lombinho que agora não pode mais comer por causa da dieta? Eles voltam mais fortes! Hahaha

Na verdade, com qualquer tipo de pensamento que se tenta suprimir acontece isso, pois essa é uma prática contra-produtiva.

Entenda que você não pode matar um hábito, apenas trocá-lo.

Então se você tem mania de roer as unhas quando está nervoso, tente usar as mãos para desenhar ou rabiscar, por exemplo.

 

#2 Análise do Bem e do Mal

Análise do Bem e do Mal
Elimine o que não serve e faça mais o que foi bom.

Seja para sua vida pessoal, profissional ou para a gestão de sua empresa, uma das melhores maneiras de se preparar e planejar o futuro é olhar para trás e ver o que deu certo e o que não funcionou direito.

Leia Também  Análise de Viabilidade Econômica: Tudo o que você precisa saber sobre a TIR

Portanto aqui eu lhe proponho um exercício:

Pegue uma folha de papel e dobre-a ao meio – ou desenhe uma linha; ou dobre e desenhe uma linha, tanto faz.

O que funcionou no ano que passou?

Faça uma retrospectiva do ano que passou e, no lado esquerdo da folha, escreva o lado bom da vida. Anote o que deu certo, o que funcionou bem para você neste último ano.

O que te deixou animado? O que você gostou de fazer? O que seus clientes amaram? O que te deu mais dinheiro?

Deixe bem claro o que funcionou, o que deu certo e o que te fez feliz, pois antes de começar a pensar em escrever novas metas para novas coisas que você quer fazer, é importante focar em melhorar o que já deu certo no último ano.

O que não funcionou nesse ano?

Do lado direito escreva a parte feia da história. Tudo aquilo que precisa ser corrigido, o que não deu certo. Anote os erros e fracassos.

O que você não pode repetir? O que te frustrou? O que não trouxe resultados positivos?

Deixe bem claro o que você deve parar de fazer, o que não pode voltar a acontecer.

Lembre-se também de anotar o que não foi bom mesmo parecendo ter sido. Por exemplo, muitos gestores acabam por despender muito tempo em seus negócios, deixando pouco tempo para a própria família. Isso não é bom.

Então se é o seu caso, inclua isso naquilo que você não quer repetir esse ano.

Por fim, faça um resumo simples e conciso dizendo:

No próximo ano eu quero fazer mais de x e menos de y.

 

#3 Definição de Metas

Definição de Metas
“Se você não projetar seu próprio plano de vida, as chances são que você caia no plano de alguém. E adivinha o que eles têm planejado para você? Não muito.” – Jim Rohn

Você já deve saber o quão importante é ter objetivos. Deve saber que é preciso criar metas para ter sucesso na vida.

E provavelmente você até faça isso. Porém, talvez não do jeito certo. Não do jeito que te ajude como deveria.

Portanto, agora vou contar duas coisas extremamente importantes sobre a definição de metas:

1 – Todas as suas metas têm que caber em uma única página

Quando for definir seus objetivos, não faça páginas e páginas de metas, pois você irá se auto-oprimir, perderá o foco e provavelmente ficará chateado consigo mesmo por não conseguir gerar resultados.

Seja nítido, sucinto.

Aquilo é aquilo e ponto.

É claro que os planos que envolvem a realização de suas metas exigem maior aprofundamento, mas as metas em si têm que ser concisas.

2 – Faça metas INTELIGENTES

Em novembro de 1981, George T. Doran escreveu um artigo na Management Review em que dizia:

Há uma maneira inteligente de escrever metas e objetivos da administração.

Na verdade há sempre uma maneira inteligente de se fazer tudo, mas como geralmente a pessoas preferem o jeito mais fácil…

Bom, deixa pra lá.

Voltando ao foco, a palavra “inteligente”, que em inglês é traduzida como “SMART” é um acrônimo formado pelas iniciais de Specific – Mensurable – Attainable – Relevant – Time-Based.

Ou seja, a ideia por trás disso prega que para a sua meta funcionar, ela tem que ser:

     I.        Específica

É muito mais provável se realizar um objetivo específico do que um global. Portanto, quando se for definir uma meta, é sempre bom responder às seguintes perguntas:

Quem será envolvido?

O que eu quero realizar?

Onde isso irá acontecer?

Quando deve ficar pronto?

Quais os requisitos e restrições do plano?

Por que fazer isso?

 

   II.        Mensurável

Você não deve dirigir por ai sem saber onde está, pois a estrada da vida é um lugar muito perigoso gafanhoto.

Por isso é importante estabelecer critérios sólidos para medir o progresso na busca pela realização de suas metas. Não somente para impedir que você perca prazos e se desanime com a falta de percepção de melhorias, como também para te manter na estrada e animá-lo a cada progresso observado.

Sempre defina métricas para acompanhar o desenvolvimento de seus planos. Não fique à deriva.

 

  III.        Atingível

Já dizia minha mãe: “Filho, não morda mais do que você pode mastigar”.

Não faz nada bem você traçar uma meta grande demais para alcançar. Se for muito para você, não demorará e logo irá tomar um café com o Senhor Desânimo, no Bar dos Desistentes.

Mas também não faz valer definir uma meta fácil demais, pois rápido a Senhora Acomodação chega e toma conta da casa.

Procure ser audacioso, mas não maluco, pois sabendo a importância dos objetivos, você começará a se esforçar e desenvolver as habilidades, competências e até atitudes necessárias para alcançá-los.

A pergunta que você deve se fazer é:

Como a meta pode ser cumprida?

 

 IV.        Relevante

Segundo o Dicionário Michaelis, “relevante” significa “aquilo que é importante, preciso, indispensável”.

Leia Também  Os 12 principais erros de micro e pequenos empresários

Você pode ser coordenador administrativo financeiro de uma empresa de Call Center, e definir como meta cozinhar 50 salsichas para cachorro-quente por hora. Isso seria uma meta específica, mensurável e atingível, mas acho eu que não seria muito relevante.

Metas importantes ajudam não somente você, com aquele sentimento empolgado de realização, como também recebem o apoio e envolvimento de seu chefe, sua equipe, sua organização.

Para compreender se uma meta é mesmo relevante, talvez você devesse se perguntar:

Será que isso realmente vale a pena?

 

  V.        Temporal

Sabe quando você tem aquelas coisas para fazer, mas diz “jajá eu faço” ou “amanhã eu resolvo isso” ou então “semana que vem a gente da um jeito”?

Agora pense bem e responda: Você realmente fez? Ou resolveu? Ou deu um jeito?

Calma gafanhoto, se a resposta é NÃO, você não está sozinho.

A verdade é que tarefas sem prazos tendem a não serem realizadas, pois as pessoas normalmente acabam enrolando e gastando o tempo, deixando para depois.

Mas há várias razões importantes para se definir prazos em suas metas, como por exemplo:

  • Nos empurram para frente, nos forçando a agir
  • Evitam a procrastinação
  • Fornece um sentimento de realização
  • Impede que se sobrecarregue um cronograma de trabalho
  • Ajuda a priorizar o que você tem que fazer
  • Melhora a produtividade

Portanto, defina prazos. Defina datas limites para fazer aquilo o que você precisa, para alcançar aquilo o que você quer.

 

Dica bônus #1: Quando possível, prefira metas de desempenho e não de resultado

Quando possível, prefira metas de desempenho e não de resultado
Foque no seu melhor

Infelizmente as metas de resultado não levam em conta o quanto uma pessoa se esforça, o quanto ela merece, o quanto ela evolui. Considera somente o resultado.

Mas o resultado muitas vezes não depende apenas de você. Você pode não atingir um resultado por questões que vão além do seu controle, como o mau tempo, a má fase nos negócios, problemas de saúde, uma lesão ou até mesmo má sorte.

Por exemplo, imagine que você é um atleta e deseja ganhar uma corrida. Pelos seus cálculos, para ser campeão é necessário completar a prova em 1h30min. A sua meta é ser o vencedor, claro. E você se prepara durante meses para alcançar tal coisa. No grande dia, você se esforça ao máximo, dá o seu melhor. No final, consegue atingir a marca de 1h30min, mas um bendito queniano completa o percurso em 1h29.

Bom, se a sua meta era pura e simplesmente ser campeão, você fracassou. Porém, se definiu que a meta era realizar o melhor desempenho possível, atingindo o tempo de 1h30, você deve ficar contente, pois chegou lá.

Veja bem, cada caso é um caso. Então prefiro não dar isso como regra geral. Às vezes pode ser melhor de um jeito, às vezes de outro. Mas pense assim: você tem o controle apenas sobre aquilo o que faz, ou seja, o seu desempenho; enquanto o resultado é produto de uma combinação de fatores, podendo comumente sofrer interferências de outras variáveis.

Tudo bem, você pode dizer que o que vale é o resultado, e com razão. Mas não é essa a questão. Na verdade trata-se da motivação, e particularmente eu acredito que é melhor ter a motivação e a realização em minhas mãos do que nas mãos dos outros.

 

#4 Empilhe Suas Metas

Empilhe Suas Metas
Um passo de cada vez

Há uma frase japonesa que diz:

“Ippo zutsu mata ippo zutsu”

Em português seria:

“Um passo de cada vez, e ainda, um passo de cada vez.”

Ok, e o que isso tem a ver com “empilhe suas metas”?

Calma gafanhoto. Tira casaco, pendura casaco…

Hahaha. Não, brincadeira.

Bem, a ideia é criar uma grande meta, uma grande figura, e em seguida quebrá-la em mini-metas e empilhá-las, de forma que você possa fazer uma de cada vez, até chegar à grande meta.

Por exemplo, se você deseja aumentar suas vendas on-line em 40% no ano, precisará de mini-metas como maior presença na rede, aumento de visitas em seu site, mais conversões, etc.

Quanto maiores forem suas metas, mais intimidantes elas serão, e mais riscos de procrastinar e recuar você terá.

Por isso, tente quebrar para baixo cada grande objetivo que você tiver e dividí-los em mini-metas, pois elas são muito mais fáceis de alcançar, e você se sentirá muito mais motivado constatando progressos.

Pense assim por exemplo: você pode ter uma grande meta para o ano, e dividí-la em 12 mini-metas mais simples, que levarão à realização dela.

 

#5 Planeje Seu Tempo – Não Se Distraia

Planeje Seu Tempo - Não Se Distraia
Uma das principais diferenças entre as pessoas de sucesso e as pessoas ineficazes é a habilidade de gerenciar e aproveitar o tempo.

Uma das principais diferenças entre as pessoas de sucesso e as pessoas ineficazes é a habilidade de gerenciar e aproveitar o tempo.

Todas as pessoas bem sucedidas sabem como usar o tempo, pois planejam e não costumam sair da linha.

Eles entendem bem uma coisa que todos sabem, mas nem todos fazem algo a respeito: O tempo é curto!

Se você já teve, ou tem aquela sensação de que não consegue render quase nada quando o dia acaba, então deve conhecer bem o problema.

Todos nós temos muitos sonhos, vontades, deveres e obrigações. Queremos gerir nosso negócio, estudar, curtir a família, ser saudável… Mas haja tempo para tudo isso!

Leia Também  Como analisar as demonstrações financeiras - Índices Financeiros

Para ter sucesso, tanto profissional como pessoal, você precisa proteger o seu tempo. Precisa controlar. Precisa organizar.

Nessa quinta dica, eu recomendo que você pegue a sua agenda – caso não tenha, já está na hora de começar a usar uma né – e reserve um tempo para o que for importante para seus negócios e sua vida pessoal.

Assim como na definição de metas, o conselho é que você comece do maior para o menor, ou seja, planeje eventos do ano, depois do mês, depois da semana.

Como fazer?

Comece planejando os principais eventos relacionados ao seu negócio e sua carreira. Pense, por exemplo, nas conferências que deseja assistir e cursos que pretende fazer e coloque-os em seu calendário.

Adicione celebrações importantes para você, como aniversários de pessoas próximas ou feriados.

Reserve o seu tempo de férias. Você não precisa pensar agora no que irá fazer, nem para onde irá, mas é importante assegurar um tempo para descansar e renovar suas energias.

Separe um ou dois dias a cada trimestre para fazer o planejamento dos próximos três meses de seu negócio. (Lembre-se de trabalhar com as mini-metas citadas anteriormente)

As atividades diárias também são parte importante da administração do tempo. Ter uma noção clara do que você precisa realizar todo dia lhe permite aproveitar melhor o tempo e aumentar sua produtividade.

Portanto, todos os dias, separe ao menos uns dez ou quinze minutos ao final do expediente para agendar o que deverá ser feito no dia seguinte.

 

Dica bônus #2: Agendas Virtuais

Agendas Virtuais
Desfrute dos benefícios da tecnologia!

Desfrute dos benefícios da tecnologia!

Você pode até usar uma agenda manual, mas ferramentas virtuais como o Google Agenda e o Calendário Hotmail estão cada vez mais em destaque por suas praticidades e funcionalidades.

Suas três principais vantagens são:

Mobilidade

É possível acessar sua agenda de qualquer lugar, seja de casa, do trabalho, na rua, pelo celular, tablet, ou computador. Você só precisa de conexão com a internet e pronto, sua agenda está sempre lá, bonitinha.

Sincronização

Todos os eventos que você atualizar pelo celular, estarão no computador, ou no tablet. Não importa de onde você acesse, tudo fica sincronizado.

E o mais legal é que você pode ativar notificações para seus compromissos, e receber alertas no celular, e/ou no email para nunca mais perder o prazo.

Compartilhamento

Outra coisa muitíssimo útil é que você pode adicionar pessoas a eventos, como reuniões, por exemplo, e elas recebem um convite para confirmar presença.

Além disso, é possível criar múltiplas agendas para fins diferentes, e compartilhá-las com pessoas diferentes. Você pode criar uma agenda para sua casa e compartilhar com sua família. Cada compromisso criado ou alterado será visualizado por todos os membros adicionados.

 

Dica bônus #3: Utilize Quadro de planejamento

Utilize Quadro de planejamento
Vantagem do pensamento visual

Vantagem do pensamento visual

Quadros brancos são uma ferramenta fantástica para todo e qualquer escritório. Eles servem de várias formas diferentes. Uma delas é você ter ali, na parede, visível a qualquer instante, com fácil acesso e manipulação, os compromissos e prazos da sua agenda.

Sua grande vantagem é que ele proporciona maior facilidade no planejamento, uma vez que estimula o pensamento visual.

Mas cuidado, procure não substituir sua agenda por ele, principalmente se você tem muitos compromissos, pois não poderá carregá-lo por aí consigo – ou pelo menos não sem que as pessoas te olhem meio estranho. Busque apenas usá-lo para ter uma visibilidade melhor e constante de seus prazos na parede do escritório.

 

Conclusão – Recapitulando

Espero que essas 5 dicas possam te ajudar bastante. Mas não se esqueça, planejamento não vale de nada sem ação e disciplina.

Portanto, se deseja ter um grande ano, ponha em prática tudo o que planejar e faça acontecer!

Vamos rever então as 5 dicas desse artigo:

 

#1 Mudança de hábito – lembre-se de que para ter resultados diferentes, é preciso fazer coisas diferentes.

#2 Análise do Bem e do Mal – o que deu certo e o que não deu para você no último ano? Elimine o que foi ruim e faça mais o que foi bom.

#3 Definição de metas – há sempre um jeito inteligente de se definir suas metas! Seja conciso e seja S.M.A.R.T.

#4 Empilhe suas metas – um passo de cada vez. Quebre as grandes metas em mini-metas para realizá-las com maior facilidade.

#5 Planeje seu tempo – aproveite bem o seu tempo, pois ele não costuma durar muito!

Que tal imprimir? Baixe grátis uma cópia deste artigo em PDF!

Gostou desse artigo e acredita que ele pode ajudar um amigo a planejar um ano melhor? Então envie para ele ou compartilhe nas redes sociais!

Ah, e não deixe de se inscrever também em minha lista de email para ser o primeiro a receber as novidades aqui do blog.

Por fim, eu adoraria saber sua opinião sobre este artigo.

Comente aqui embaixo o que você gostou, ou não gostou, ou mesmo alguma outra dica que queira compartilhar conosco!

 

1285 Total de visualizações 1 Visualizações hoje