Hideki Anagusko > Artigos > Finanças > 10 principais cálculos financeiros para finanças corporativas

10 principais cálculos financeiros para finanças corporativas

Posted by: Hideki Anagusko
Category: Finanças, Gerar resultados
Baixe grátis o ebook que fiz para este artigo em PDF!

Os cálculos financeiros desempenham um papel fundamental nas finanças corporativas, fornecendo ferramentas e métricas essenciais para a tomada de decisões e avaliação do desempenho financeiro de uma empresa. Esses cálculos permitem aos gestores, investidores e analistas compreenderem e analisarem diversos aspectos financeiros, desde a viabilidade de investimentos até a saúde financeira geral da organização.

Na área de finanças corporativas, os cálculos financeiros são utilizados para uma ampla gama de finalidades, tais como avaliar projetos de investimento, determinar a rentabilidade de uma empresa, analisar a estrutura de capital, medir a eficiência operacional e muito mais. Essas ferramentas quantitativas fornecem uma base sólida para a análise financeira, permitindo uma compreensão mais aprofundada dos dados financeiros e um embasamento para a tomada de decisões estratégicas.

Entre os principais cálculos financeiros utilizados em finanças corporativas, destacam-se o Valor Presente Líquido (VPL), a Taxa Interna de Retorno (TIR), o Payback, a Razão de Endividamento, a Margem de Lucro, a Taxa de Cobertura de Juros (TCI), o Retorno sobre o Investimento (ROI), a Margem de Contribuição, os Índices de Liquidez e o Prazo Médio de Pagamento (PMP). Cada um desses cálculos oferece uma perspectiva única sobre diferentes aspectos do desempenho financeiro e da viabilidade de um negócio.

Por meio desses cálculos, os profissionais de finanças corporativas são capazes de avaliar o risco e o retorno de investimentos, identificar oportunidades de melhoria, tomar decisões informadas sobre financiamento e capital de giro, além de medir a eficiência operacional e a lucratividade de uma empresa. Ao aplicar essas ferramentas quantitativas e analíticas, é possível obter uma visão abrangente do estado financeiro de uma organização e embasar estratégias para o crescimento sustentável e a maximização do valor para os acionistas.

No entanto, é importante ressaltar que esses cálculos são apenas uma parte do quadro geral e devem ser usados em conjunto com outras análises e informações qualitativas. Além disso, a interpretação dos resultados e a tomada de decisões requerem conhecimento e experiência em finanças corporativas, bem como uma compreensão aprofundada do contexto e dos objetivos da organização.

Em resumo, os cálculos financeiros desempenham um papel essencial nas finanças corporativas, permitindo a análise e avaliação criteriosa do desempenho financeiro de uma empresa. Ao aplicar essas ferramentas quantitativas, os profissionais de finanças são capazes de tomar decisões embasadas, planejar estrategicamente e impulsionar o sucesso financeiro de suas organizações.

Confira 10 dos principais cálculos financeiros utilizados em finanças corporativas:

1- Valor Presente Líquido (VPL): Calcula o valor atual líquido de um investimento, considerando os fluxos de caixa futuros e uma taxa de desconto.

2- Taxa Interna de Retorno (TIR): Determina a taxa de desconto que torna o valor presente líquido de um investimento igual a zero.

3- Payback: Calcula o tempo necessário para recuperar o investimento inicial por meio dos fluxos de caixa esperados.

4- Razão de Endividamento: Avalia a proporção de dívida em relação ao capital próprio de uma empresa, medindo seu nível de alavancagem financeira.

5- Margem de Lucro: Indica a porcentagem de lucro que uma empresa obtém em relação às suas receitas.

6- Taxa de Cobertura de Juros (TCI): Mede a capacidade de uma empresa de pagar seus juros de dívida com base em seu lucro operacional.

7- Retorno sobre o Investimento (ROI): Calcula a eficiência financeira de um investimento, relacionando o lucro obtido ao capital investido.

8- Margem de Contribuição: Avalia a porcentagem de receita que sobra após a dedução dos custos variáveis de produção.

9- Índice de Liquidez: Mede a capacidade de uma empresa de cumprir suas obrigações de curto prazo utilizando seus ativos líquidos.

10- Prazo Médio de Pagamento (PMP): Calcula o tempo médio necessário para uma empresa pagar suas obrigações de pagamento a fornecedores.

Esses cálculos são amplamente utilizados por profissionais de finanças corporativas para análise e tomada de decisões relacionadas a investimentos, financiamentos e gestão financeira em empresas.

Veja como calcular cada um dos 10 principais cálculos financeiros em finanças corporativas:

Valor Presente Líquido (VPL):

O VPL é calculado somando-se o valor presente de todos os fluxos de caixa futuros esperados de um investimento e subtraindo o investimento inicial. Os passos para calcular o VPL são os seguintes:

a) Determine os fluxos de caixa futuros esperados para o investimento, considerando datas e valores.

b) Determine uma taxa de desconto apropriada que reflita o custo de capital ou a taxa de retorno mínima exigida.

c) Calcule o valor presente de cada fluxo de caixa futuro, dividindo-o pela taxa de desconto elevada à potência do número de períodos até a data do fluxo de caixa.

Leia Também  O que é e como criar um Orçamento Departamental

d) Some todos os valores presentes dos fluxos de caixa futuros e subtraia o investimento inicial. O resultado é o Valor Presente Líquido.

Taxa Interna de Retorno (TIR):

A TIR é a taxa de desconto que iguala o Valor Presente Líquido a zero. É um método para calcular a rentabilidade de um investimento. Os passos para calcular a TIR são os seguintes:

a) Determine os fluxos de caixa futuros esperados para o investimento.

b) Estime uma taxa de desconto inicial.

c) Calcule o Valor Presente Líquido utilizando a taxa de desconto inicial.

d) Ajuste a taxa de desconto até que o Valor Presente Líquido seja igual a zero, usando métodos de tentativa e erro ou por meio de funções em software especializado.

Payback:

O Payback é o período de tempo necessário para recuperar o investimento inicial por meio dos fluxos de caixa esperados. O cálculo é feito da seguinte maneira:

a) Determine os fluxos de caixa esperados para cada período.

b) Some os fluxos de caixa até que a soma seja igual ou maior que o investimento inicial.

c) O Payback é o período em que a soma dos fluxos de caixa se iguala ou ultrapassa o investimento inicial.

Razão de Endividamento:

A Razão de Endividamento é calculada dividindo o total da dívida de uma empresa pelo total de seu capital próprio. Os passos para calcular a Razão de Endividamento são os seguintes:

a) Determine o total da dívida da empresa, que inclui empréstimos, obrigações financeiras, debêntures, entre outros.

b) Determine o total do capital próprio da empresa, que inclui o patrimônio líquido.

c) Divida o total da dívida pelo total do capital próprio e multiplique o resultado por 100 para obter a Razão de Endividamento em termos de porcentagem.

Margem de Lucro:

A Margem de Lucro é calculada dividindo o lucro líquido de uma empresa pelas suas receitas e multiplicando o resultado por 100 para obter a porcentagem. O cálculo é feito da seguinte forma:

a) Determine o lucro líquido da empresa, que é a receita total menos os custos e despesas.

b) Determine a receita total da empresa.

c) Divida o lucro líquido pela receita total e multiplique o resultado por 100 para obter a Margem de Lucro em termos de porcentagem.

Taxa de Cobertura de Juros (TCI):

A TCI é calculada dividindo o lucro operacional de uma empresa pelos seus gastos com juros. Os passos para calcular a TCI são os seguintes:

a) Determine o lucro operacional da empresa, que é a receita total menos os custos operacionais.

b) Determine os gastos com juros da empresa, que são os pagamentos de juros devidos sobre a dívida.

c) Divida o lucro operacional pelos gastos com juros para obter a Taxa de Cobertura de Juros.

Retorno sobre o Investimento (ROI):

O ROI é calculado dividindo o lucro obtido com um investimento pelo valor do investimento inicial e multiplicando o resultado por 100 para obter a porcentagem. O cálculo é feito da seguinte forma:

a) Determine o lucro obtido com o investimento, que pode ser o lucro líquido ou o fluxo de caixa gerado pelo investimento.

b) Determine o valor do investimento inicial.

c) Divida o lucro obtido pelo valor do investimento inicial e multiplique o resultado por 100 para obter o ROI em termos de porcentagem.

Margem de Contribuição:

A Margem de Contribuição é calculada subtraindo os custos variáveis das vendas pela receita total e multiplicando o resultado por 100 para obter a porcentagem. O cálculo é feito da seguinte forma:

a) Determine os custos variáveis das vendas, que são os custos diretamente relacionados à produção e venda dos produtos ou serviços.

b) Determine a receita total da empresa.

c) Subtraia os custos variáveis das vendas da receita total e multiplique o resultado por 100 para obter a Margem de Contribuição em termos de porcentagem.

Índice de Liquidez:

Existem diferentes índices de liquidez, como o Índice de Liquidez Corrente e o Índice de Liquidez Imediata. Ambos medem a capacidade de uma empresa cumprir suas obrigações de curto prazo. Os cálculos são os seguintes:

a) Índice de Liquidez Corrente: Divide o ativo circulante (recursos disponíveis em curto prazo) pelo passivo circulante (obrigações de curto prazo).

b) Índice de Liquidez Imediata: Divide o ativo circulante menos o estoque (recursos disponíveis em curto prazo, excluindo os estoques) pelo passivo circulante.

Prazo Médio de Pagamento (PMP):

Leia Também  O Capital de Giro e os Ciclos Empresariais - O que você precisa saber

O PMP é calculado dividindo o valor total das contas a pagar pela média diária de compras. Os passos para calcular o PMP são os seguintes:

a) Determine o valor total das contas a pagar, que são os pagamentos pendentes a fornecedores e credores.

b) Determine a média diária de compras, que é o total de compras dividido pelo número de dias no período analisado.

c) Divida o valor total das contas a pagar pela média diária de compras para obter o PMP, expresso em dias.

É importante ressaltar que essas são apenas as fórmulas básicas de cada cálculo. Dependendo do contexto e dos dados disponíveis, podem ser utilizadas variações dessas fórmulas ou cálculos adicionais para uma análise mais aprofundada. Além disso, existem softwares e ferramentas financeiras disponíveis que podem facilitar esses cálculos e fornecer resultados mais precisos.

 

Valor Presente Líquido (VPL):

Caso: Uma empresa está considerando investir em um novo equipamento que custa $100.000. Espera-se que o equipamento gere fluxos de caixa anuais de $30.000 nos próximos 5 anos. A taxa de desconto utilizada é de 12%.

Cálculo: VPL = (-$100.000) + ($30.000 / (1 + 0.12)^1) + ($30.000 / (1 + 0.12)^2) + ($30.000 / (1 + 0.12)^3) + ($30.000 / (1 + 0.12)^4) + ($30.000 / (1 + 0.12)^5)

Resultado: Após calcular os valores presentes dos fluxos de caixa e somá-los, o VPL resulta em um valor positivo de $19.280,39. Portanto, o investimento é considerado viável, já que o VPL é maior que zero.

Taxa Interna de Retorno (TIR):

Caso: Uma empresa está considerando um projeto que requer um investimento inicial de $70.000. Os fluxos de caixa anuais esperados para os próximos 5 anos são os seguintes:

Ano 0: -$70.000

Ano 1: $12.000

Ano 2: $15.000

Ano 3: $18.000

Ano 4: $21.000

Ano 5: $16.000

Cálculo: Cálculo: Para calcular a TIR, é necessário encontrar a taxa de desconto que iguala o VPL a zero. Vamos ver como fazer isso no excel.

  1. Abra o Microsoft Excel e crie uma nova planilha.
  2. Na primeira coluna, na célula A1, escreva “Ano”.
  3. Na segunda coluna, na célula B1, escreva “Fluxo de Caixa ($)”.
  4. A partir da célula A2, preencha a coluna “Ano” com os números correspondentes aos anos do projeto.
  5. A partir da célula B2, preencha a coluna “Fluxo de Caixa ($)” com os valores dos fluxos de caixa correspondentes a cada ano.
  6. Na célula A7, escreva “TIR”.
  7. Na célula B7, insira a seguinte fórmula para calcular a TIR: =TIR(B2:B6). Certifique-se de que a faixa de células B2 a B6 engloba todos os valores dos fluxos de caixa, excluindo o valor do investimento inicial.
  8. Pressione Enter para obter o resultado. A TIR calculada será exibida na célula B7.

Resultado: A TIR de 5,192% indica a taxa de retorno esperada do investimento. Se a taxa mínima de atratividade (TMA) ou taxa de desconto exigida for menor ou igual a 5,192%, o projeto é considerado rentável.

Payback:

Caso: Uma empresa está considerando adquirir uma nova máquina por $50.000. A estimativa é que a máquina gere fluxos de caixa anuais de $15.000. O período de payback será calculado.

Cálculo: Payback = Investimento inicial / Fluxo de caixa anual

Payback = $50.000 / $15.000 = 3.33 anos (ou 3 anos e 4 meses)

Resultado: O payback é de aproximadamente 3 anos e 4 meses, o que significa que a empresa recuperará seu investimento inicial nesse período.

Razão de Endividamento:

Caso: Uma empresa tem um total de dívida de $2.500.000 e um total de capital próprio de $5.000.000.

Cálculo: Razão de Endividamento = Total da dívida / Total de capital próprio

Razão de Endividamento = $2.500.000 / $5.000.000 = 0.5

Resultado: A Razão de Endividamento é 0.5 ou 50%. Isso significa que metade do capital da empresa é proveniente de dívidas.

Margem de Lucro:

Caso: Uma empresa obteve um lucro líquido de $200.000 e suas receitas totais foram de $1.000.000.

Cálculo: Margem de Lucro = (Lucro Líquido / Receitas Totais) * 100

Margem de Lucro = ($200.000 / $1.000.000) * 100 = 20%

Resultado: A margem de lucro é de 20%, o que significa que a empresa obteve um lucro líquido de 20% em relação às suas receitas totais.

Taxa de Cobertura de Juros (TCI):

Caso: Uma empresa tem um lucro operacional de $500.000 e gastos com juros de $100.000.

Cálculo: Taxa de Cobertura de Juros = Lucro Operacional / Gastos com Juros

Taxa de Cobertura de Juros = $500.000 / $100.000 = 5

Resultado: A taxa de cobertura de juros é de 5 vezes, o que indica que a empresa possui uma margem de segurança adequada para cobrir seus gastos com juros.

Leia Também  Como controlar as finanças da sua empresa - As ferramentas de controle financeiro

Retorno sobre o Investimento (ROI):

Caso: Uma empresa obteve um lucro de $100.000 a partir de um investimento inicial de $500.000.

Cálculo: ROI = (Lucro / Investimento Inicial) * 100

ROI = ($100.000 / $500.000) * 100 = 20%

Resultado: O ROI é de 20%, o que significa que a empresa obteve um retorno de 20% em relação ao investimento inicial.

Margem de Contribuição:

Caso: Uma empresa vende um produto por $50, com custos variáveis de $30 por unidade e uma receita total de $100.000.

Cálculo: Margem de Contribuição = [(Receita Total – Custos Variáveis) / Receita Total] * 100

Margem de Contribuição = [($100.000 – ($30 * X)) / $100.000] * 100

Resultado: Para calcular a margem de contribuição, é necessário conhecer o número de unidades vendidas (X). Suponha que 2.000 unidades tenham sido vendidas:

Margem de Contribuição = [($100.000 – ($30 * 2.000)) / $100.000] * 100 = 40%

Isso significa que a cada unidade vendida, a empresa tem uma margem de contribuição de 40%, o que contribui para cobrir os custos fixos e gerar lucro.

Índice de Liquidez:

Caso: Uma empresa tem um ativo circulante de $500.000 e um passivo circulante de $300.000.

Cálculo: Índice de Liquidez Corrente = Ativo Circulante / Passivo Circulante

Índice de Liquidez Corrente = $500.000 / $300.000 = 1.67

Resultado: O índice de liquidez corrente é de 1.67, indicando que a empresa possui ativos circulantes 1.67 vezes maiores que seus passivos circulantes, o que sugere uma boa capacidade de pagar suas obrigações de curto prazo.

Prazo Médio de Pagamento (PMP):

Caso: Uma empresa possui um valor total de contas a pagar de $200.000 e uma média diária de compras de $5.000.

Cálculo: PMP = Valor Total das Contas a Pagar / Média Diária de Compras

PMP = $200.000 / $5.000 = 40 dias

Resultado: O Prazo Médio de Pagamento é de 40 dias, o que significa que, em média, a empresa leva 40 dias para pagar suas contas a partir do momento em que realiza uma compra.

Esses exemplos ilustram como cada cálculo financeiro pode ser aplicado a situações reais e como os resultados podem fornecer insights sobre a saúde financeira e o desempenho de uma empresa. É importante lembrar que os valores e dados utilizados nos exemplos são fictícios e podem variar dependendo do caso específico e das circunstâncias reais.

Conclusão

Os cálculos financeiros desempenham um papel crucial nas finanças corporativas, fornecendo ferramentas valiosas para a análise e avaliação do desempenho financeiro de uma empresa. Ao aplicar esses cálculos, os profissionais de finanças podem tomar decisões informadas e embasar estratégias para impulsionar o crescimento e a lucratividade.

Ao longo deste artigo, exploramos os principais cálculos financeiros utilizados em finanças corporativas, como o Valor Presente Líquido (VPL), a Taxa Interna de Retorno (TIR), o Payback, a Margem de Lucro, a Taxa de Cobertura de Juros (TCI), o Retorno sobre o Investimento (ROI), a Margem de Contribuição, os Índices de Liquidez e o Prazo Médio de Pagamento (PMP). Cada um desses cálculos fornece informações valiosas sobre diferentes aspectos do desempenho financeiro de uma empresa, auxiliando na tomada de decisões estratégicas.

Essas ferramentas quantitativas permitem avaliar a viabilidade de investimentos, medir a rentabilidade, analisar a estrutura de capital, gerenciar a liquidez e a eficiência operacional, além de fornecer indicadores para o controle financeiro e a maximização do valor para os acionistas.

No entanto, é importante destacar que os cálculos financeiros devem ser utilizados em conjunto com análises qualitativas e considerando o contexto específico de cada empresa. A interpretação correta dos resultados e a tomada de decisões embasadas requerem conhecimento, expertise e uma compreensão aprofundada das necessidades e objetivos da organização.

Em resumo, os cálculos financeiros são ferramentas essenciais nas finanças corporativas, permitindo que gestores, investidores e analistas compreendam e analisem de forma objetiva o desempenho financeiro de uma empresa. Ao aplicar essas métricas, é possível tomar decisões embasadas, planejar estrategicamente e impulsionar o sucesso financeiro de uma organização, contribuindo para o crescimento sustentável e a maximização dos resultados.

 

*********

Eu espero que esse artigo seja muito útil para você. Se gostou e acredita que pode ajudar algum amigo, envie para ele ou compartilhe nas redes sociais!

Ah, e inscreva-se também em minha lista de e-mail para ser o primeiro a receber as novidades aqui do meu blog.

Por fim, eu adoraria saber o que achou deste artigo.

Comente aqui embaixo o que você gostou, ou não gostou, ou mesmo alguma outra dica que queira compartilhar conosco!

Baixe grátis o ebook que fiz para este artigo em PDF!

Avatar photo
Author: Hideki Anagusko
Consultor em Finanças Empresariais há mais de 10 anos. Eu transformo desafios financeiros em oportunidades de sucesso para PMEs.