Dicas Solucionar problemas

Como proteger sua empresa em períodos de crise econômica

Veja minha super dica sobre como proteger sua empresa em períodos de crise econômica

No novo vídeo do quadro #HdkResponde a pergunta é sobre como estabilizar seu negócio e garantir maior proteção para a empresa durante um período de Crise Econômica.

Confira agora essa super dica que ninguém te conta por aí e veja logo abaixo a transcrição completa!

Existem diversas práticas importantes a serem feitas para proteger a empresa em cenários complicados, como por exemplo:

  • Repensar o modelo de negócios
  • Aplicar a técnica do Oceano Azul [Matriz eliminar-reduzir-elevar-criar]
  • Repensar processos
  • Cortar custos através de algumas das metodologias que eu já ensinei em outro artigo aqui
  • Refazer suas análises de credito aos clientes

Mas para ser mais específico, vamos pensar em uma outra questão primeiro:

Qual provavelmente é o maior risco que ocorre em períodos de crise econômica?

Não sei se estamos de acordo, mas eu diria que nesses períodos os riscos mais acentuados são o de você não vender suas mercadorias ou vender e não receber ou demorar muito para receber.

Supondo que esses pesadelos se transformem em realidade, você ainda vai ter que pagar salários, impostos, obrigações sociais, fornecedores, bancos, e tudo mais para a empresa continuar girando. E como você faz isso?

Com o Capital de Giro.

Ok, agora vamos falar sobre isso.

O Capital de Giro é obtido através de:

  • capital próprio dos proprietários
  • empréstimos e financiamentos com instituições financeiras
  • desconto de duplicatas
  • fornecedores
  • adiantamentos de clientes
  • lucros.

Bom, se a empresa enfrenta um cenário de crise econômica, como é o que estamos vivendo atualmente no Brasil, correndo o risco de não receber ou demorar mais para receber seus pagamentos, o que por sua vez resulta no aumento da necessidade de capital de giro, temos duas situações possíveis:

Leia Também  O que é Giro de Estoque e como isso pode me ajudar?

Ou a empresa busca e consegue aumentar seu Capital de Giro, incorrendo em maiores despesas financeiras (incluindo também os custos de oportunidade sobre o dinheiro que ela precisa deixar de investir);

Ou ela busca e não consegue aumentar seu Capital de Giro, e aí a garapa azeda, ela não provavelmente não vai conseguir arcar com as obrigações, o que significa dizer INSOLVÊNCIA.

Entendi Hideki, mas então como se proteger disso?

Bem, gafanhoto, pode não ser muito fácil, mas é simples: Otimize os ciclos da empresa.

Ahnnnm??

Calma, vamos falar sobre isso.

As empresas atuam com dois tipos de ciclos: o operacional e o financeiro.

O Ciclo Operacional engloba a primeira data da compra de matéria-prima até o recebimento das vendas.

O Ciclo Financeiro acontece a partir da data de pagamento aos fornecedores até o momento do recebimento das vendas.

A gente calcula esses ciclos com as seguintes fórmulas:

Ciclo Financeiro = Prazo Médio de Estoques (+) Prazo Médio de Recebimento (-) Prazo Médio de Pagamento

Ciclo Operacional = Prazo Médio de Estoques (+) Prazo Médio de Recebimento

Ciclo Operacional e Ciclo Financeiro

Agora vamos ver um exemplo:

Imaginemos uma empresa x que tenha os seguintes índices:

Prazo Médio de Estocagem (PME) = 60 dias

Prazo Médio de Recebimentos (PMR) = 30 dias

Prazo Médio de Pagamentos (PMP) = 20 dias

Ao se aplicar as fórmulas, vamos encontrar:

  • Ciclo Financeiro = 70 dias
  • Ciclo Operacional = 90 dias

 

Notou alguma coisa interessante? Ok, se não percebeu eu vou contar agora. A diferença entre o ciclo financeiro (70) e o ciclo operacional (90) é justamente o prazo médio de pagamento ao fornecedor (20). Ou seja, no período do ciclo operacional ali antes de começar o ciclo financeiro (o PMP na imagem acima), é o fornecedor que financia as operações da empresa!

Leia Também  Especial: 7 Técnicas de gestão para corte de custos (Não use as duas últimas!)

Só quando o pagamento é efetuado ao fornecedor que a empresa passa a financiar as suas atividades com recursos próprios, que vêm de onde? Sim, do capital de giro.

Mas você entendeu, gafanhoto? O que eu quero dizer é que quanto maior for o ciclo financeiro, maior será a necessidade de capital de giro para a empresa.

E como conseguir otimizar essa sincronia entre os fluxos de pagamento e de recebimento?

Em primeiro lugar, para não ficar com mercadorias paradas, e consequentemente demorando para receber o valor das vendas, é fundamental que você trabalhe com operações mais precisas. Ou seja, diminua a quantidade de insumos nos pedidos aos fornecedores, e aumente a quantidade de vezes que vai pedir.

Em segundo lugar, tente negociar maiores prazos de pagamento junto aos fornecedores e reveja sua política de crédito, para tentar viabilizar uma redução nos prazos de recebimento.

Dessa forma você consegue oferecer maior proteção à empresa, não apenas em períodos de crise, mas sempre que for preciso.

Ok, gafanhoto?!

Eu espero essa dica seja muito útil para você. Se gostou e acredita que pode ajudar algum amigo, envie para ele ou compartilhe nas redes sociais!

Ah, e inscreva-se também em minha lista de email para receber sempre em primeira mão as novidades aqui do meu blog.

Por fim, eu adoraria saber o que achou deste artigo.

Comente aqui embaixo o que você gostou, ou não gostou, ou mesmo alguma outra dica que queira compartilhar conosco!

1300 Total de visualizações 2 Visualizações hoje