Whatsapp: (13) 99171-6640

Como proteger sua empresa em períodos de crise econômica

Posted by: Hideki Anagusko
Category: Dicas, Solucionar problemas

No novo vídeo do quadro #HdkResponde a pergunta é sobre como estabilizar seu negócio e garantir maior proteção para a empresa durante um período de Crise Econômica.

Confira agora essa super dica que ninguém te conta por aí e veja logo abaixo a transcrição completa!

Existem diversas práticas importantes a serem feitas para proteger a empresa em cenários complicados, como por exemplo:

  • Repensar o modelo de negócios
  • Aplicar a técnica do Oceano Azul [Matriz eliminar-reduzir-elevar-criar]
  • Repensar processos
  • Cortar custos através de algumas das metodologias que eu já ensinei em outro artigo aqui
  • Refazer suas análises de credito aos clientes

Mas para ser mais específico, vamos pensar em uma outra questão primeiro:

Qual provavelmente é o maior risco que ocorre em períodos de crise econômica?

Não sei se estamos de acordo, mas eu diria que nesses períodos os riscos mais acentuados são o de você não vender suas mercadorias ou vender e não receber ou demorar muito para receber.

Supondo que esses pesadelos se transformem em realidade, você ainda vai ter que pagar salários, impostos, obrigações sociais, fornecedores, bancos, e tudo mais para a empresa continuar girando. E como você faz isso?

Com o Capital de Giro.

Ok, agora vamos falar sobre isso.

O Capital de Giro é obtido através de:

  • capital próprio dos proprietários
  • empréstimos e financiamentos com instituições financeiras
  • desconto de duplicatas
  • fornecedores
  • adiantamentos de clientes
  • lucros.

Bom, se a empresa enfrenta um cenário de crise econômica, como é o que estamos vivendo atualmente no Brasil, correndo o risco de não receber ou demorar mais para receber seus pagamentos, o que por sua vez resulta no aumento da necessidade de capital de giro, temos duas situações possíveis:

Leia Também  Como descobrir rapidamente a causa raiz de seus problemas utilizando a técnica dos 5 Por Quês

Ou a empresa busca e consegue aumentar seu Capital de Giro, incorrendo em maiores despesas financeiras (incluindo também os custos de oportunidade sobre o dinheiro que ela precisa deixar de investir);

Ou ela busca e não consegue aumentar seu Capital de Giro, e aí a garapa azeda, ela não provavelmente não vai conseguir arcar com as obrigações, o que significa dizer INSOLVÊNCIA.

Entendi Hideki, mas então como se proteger disso?

Bem, gafanhoto, pode não ser muito fácil, mas é simples: Otimize os ciclos da empresa.

Ahnnnm??

Calma, vamos falar sobre isso.

As empresas atuam com dois tipos de ciclos: o operacional e o financeiro.

O Ciclo Operacional engloba a primeira data da compra de matéria-prima até o recebimento das vendas.

O Ciclo Financeiro acontece a partir da data de pagamento aos fornecedores até o momento do recebimento das vendas.

A gente calcula esses ciclos com as seguintes fórmulas:

Ciclo Financeiro = Prazo Médio de Estoques (+) Prazo Médio de Recebimento (-) Prazo Médio de Pagamento

Ciclo Operacional = Prazo Médio de Estoques (+) Prazo Médio de Recebimento

Ciclo Operacional e Ciclo Financeiro

Agora vamos ver um exemplo:

Imaginemos uma empresa x que tenha os seguintes índices:

Prazo Médio de Estocagem (PME) = 60 dias

Prazo Médio de Recebimentos (PMR) = 30 dias

Prazo Médio de Pagamentos (PMP) = 20 dias

Ao se aplicar as fórmulas, vamos encontrar:

  • Ciclo Financeiro = 70 dias
  • Ciclo Operacional = 90 dias

 

Notou alguma coisa interessante? Ok, se não percebeu eu vou contar agora. A diferença entre o ciclo financeiro (70) e o ciclo operacional (90) é justamente o prazo médio de pagamento ao fornecedor (20). Ou seja, no período do ciclo operacional ali antes de começar o ciclo financeiro (o PMP na imagem acima), é o fornecedor que financia as operações da empresa!

Leia Também  Noções fundamentais sobre Processos de Negócios [Você tem que saber]

Só quando o pagamento é efetuado ao fornecedor que a empresa passa a financiar as suas atividades com recursos próprios, que vêm de onde? Sim, do capital de giro.

Mas você entendeu, gafanhoto? O que eu quero dizer é que quanto maior for o ciclo financeiro, maior será a necessidade de capital de giro para a empresa.

E como conseguir otimizar essa sincronia entre os fluxos de pagamento e de recebimento?

Em primeiro lugar, para não ficar com mercadorias paradas, e consequentemente demorando para receber o valor das vendas, é fundamental que você trabalhe com operações mais precisas. Ou seja, diminua a quantidade de insumos nos pedidos aos fornecedores, e aumente a quantidade de vezes que vai pedir.

Em segundo lugar, tente negociar maiores prazos de pagamento junto aos fornecedores e reveja sua política de crédito, para tentar viabilizar uma redução nos prazos de recebimento.

Dessa forma você consegue oferecer maior proteção à empresa, não apenas em períodos de crise, mas sempre que for preciso.

Ok, gafanhoto?!

Eu espero essa dica seja muito útil para você. Se gostou e acredita que pode ajudar algum amigo, envie para ele ou compartilhe nas redes sociais!

Ah, e inscreva-se também em minha lista de email para receber sempre em primeira mão as novidades aqui do meu blog.

Por fim, eu adoraria saber o que achou deste artigo.

Comente aqui embaixo o que você gostou, ou não gostou, ou mesmo alguma outra dica que queira compartilhar conosco!

2200 Total de visualizações 9 Visualizações hoje
Hideki Anagusko
Author: Hideki Anagusko
Administrador com Pós-Graduação em Controladoria e Finanças, criei este espaço para compartilhar com você, um pouquinho dos meus conhecimentos.
Abrir chat
Solicite uma avaliação!
Olá, Gafanhoto 🙂 Posso te ajudar?
Powered by